Fecha
SAÚDE

Maranhão ultrapassa mil leitos exclusivos para coronavírus na rede estadual

Leitos do HCI (Foto: Divulgação)

 

Os hospitais da rede pública estadual do Maranhão ultrapassaram a marca de mil leitos exclusivos para pacientes com coronavírus. Em março, eram pouco mais de 200. Agora, são 1.015, quase cinco vezes mais.

Os leitos estão espalhados por diversas regiões. Como a maioria dos casos confirmados está na Ilha de São Luís, é esta região que concentra a maior parte dos leitos: 672. 

A abertura de leitos é fundamental para o combate à doença, porque o número de casos ainda é crescente. Na Ilha, por exemplo, 97% dos leitos de UTI da rede pública estadual estão ocupados. Essa conta não inclui a rede municipal e a rede privada.

“Passamos de mil leitos exclusivos para coronavírus. Começamos a crise com 232. Porém, persiste o quadro de crescimento de casos novos, em várias regiões”, disse o governador Flávio Dino, acrescentando que novas medidas estão sendo tomadas dia a dia.

Nesta segunda-feira, 11, por exemplo, foram abertos na capital um ambulatório exclusivo para coronavírus (atrás do Carlos Macieira) e um hospital também dedicado a pacientes com Covid-19 (anexo do Nina Rodrigues).

Ambulatório é mais uma das estratégias para combater o novo coronavírus (Foto: Julyane Galvão)

O Governo do Estado inaugurou, nesta segunda-feira, 11, um ambulatório voltado ao cuidado de pacientes diagnosticados com a Covid-19. Instalado em uma ala do anexo do Hospital Dr. Carlos Macieira (HCM), o espaço receberá pacientes encaminhados pelas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de São Luís, que continuam sendo porta de entrada para o atendimento.

O ambulatório, que tem capacidade de realizar até 300 atendimentos por dia, é mais uma das estratégias da Secretaria de Estado da Saúde (SES) para combater o novo coronavírus no estado e qualificar o atendimento.

“A ideia do ambulatório é mudar o conceito do atendimento ofertado aos pacientes. A princípio, o recomendado era permanecer em isolamento e tratamento domiciliar. Agora, ao procurar suporte nas UPAs, o indivíduo passará por avaliação médica e depois será encaminhado para o ambulatório. Com o novo espaço, além do diagnóstico, medicação e remarcação de consultas, vamos poder evitar possíveis agravos e, consequentemente, salvar mais vidas”, disse o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula. (Fonte Governo do Estado)

Tags : capa