Fecha
Teatro

Espetáculo em homenagem à Charlie Chaplin reúne música, poesia e criatividade

Clássicos do cinema mudo são acompanhados do som de piano, ao vivo, pelo pianista e compositor Tony Berchmans.(foto divulgação)

 

Depois de passar por várias cidades brasileiras e por países da Europa, o espetáculo “Cinepiano Tony Berchmans” será apresentado em São Luís, nesta sexta-feira, 3, às 20h, no Teatro Arthur Azevedo.

Trata-se de um projeto musical carregado de poesia e criado pelo compositor e pianista paulista Tony Berchmans, que improvisa uma trilha sonora original para clássicos do cinema mudo, utilizando temas de sua autoria em intenso sincronismo com a ação e a narrativa emocional do filme. Na capital maranhense, será projetado o filme “O Garoto”, de Charlie Chaplin.

O “Cinepiano” é um raro tributo ao cinema e à trilha sonora. É um impressionante exercício de improvisação e sincronismo, no qual o acompanhamento musical de clássicos ao vivo torna-se uma experiência audiovisual única. No espetáculo, a música narra as cenas com precisão e ajuda a contar a história, estabelecendo andamentos, climas emocionais, ambientações dramáticas e pontuações cômicas.

Além de pianista, compositor, produtor musical e especialista no estudo da música de cinema, Tony Berchmans é autor do livro “A Música do Filme – Tudo o que você gostaria de saber sobre a música de cinema”.

Desde 1992, Berchmans atua no mercado de produção fonográfica, coordenando, compondo e produzindo som para rádio, TV, cinema e internet, em centenas de projetos.

Foi curador do “Música em Cena – I Encontro Internacional de Música de Cinema”, realizado em 2007, no Rio de Janeiro, evento que trouxe ao Brasil lendas da música de cinema, como Ennio Morricone e Gustavo Santaolalla.

“O Garoto”

O filme “O Garoto” (The Kid, 1921), de Charles Chaplin, narra a história de uma mãe solteira que deixa um hospital de caridade com seu filho recém-nascido.

Ela percebe que não pode dar para seu filho todo o cuidado de que ele precisa. Assim, prende um bilhete junto à criança, pedindo que quem o achar cuide e ame o seu bebê, e o deixa no banco de trás de um luxuoso carro.

Tags : Teatro Arthur Azevedo